5 erros comuns cometidos por analistas de mídias sociais

setembro 24th, 2014 § 0 comments

Ano passado fiz um post sobre os 5 erros comuns cometidos por donos de agências e, na época, surgiu uma cobrança de também escrever sobre os 5 erros comuns cometidos por analistas de mídias sociais, de comunidade, de relacionamento ou seja lá qual nome descolado as agências dão pra quem atua no ambiente social media.

Enfim sobrou tempo (pois é) e inspiração em Orange is The New Black para citar os 5 erros que muitos mídias sociais cometem. Eu, inclusive, já pratiquei alguns. 😛

1) Vivem no mundinho das mídias sociais

Giram pelo Twitter, depois pelo Facebook, pelo Instagram e param no mesmo lugar: nas fanpages dos concorrentes.

Que o monitoramento traz ótimos insights todo mundo sabe, mas acontece que quem só se importa em pesquisar nas redes acaba perdendo uma série de dados relevantes. Informações que não estão somente em pesquisas facilmente encontradas na internet, mas também em percepções sobre o comportamento de consumo e o estilo de usabilidade aplicado pelo público que deseja alcançar.

Não será um Heavy User de mídias sociais que encontrará respostas para essas características. Ler artigos acadêmicos já é um ótimo passo pra sair da beira do mar e nadar mais fundo, pois a área acadêmica traz inúmeros esclarecimentos que o mercado precisa. Depois de consultar os acadêmicos, aí sim procure ler os profissionais. Porque se você reparar bem, os profissionais têm como referência os acadêmicos para formar o entendimento analítico que servirá de base nos argumentos técnicos. Ou seja: é na teoria dos acadêmicos que teremos as soluções para executar a prática. Para alguns isso pode parecer óbvio, mas há muitos profissionais de mídias sociais (principalmente os de nível júnior) que ainda não absorveram essa estratégia.

Aliás, “Heavy User de mídias sociais” deveria ser um termo abolido no mercado. Meu primo de 17 anos estuda de manhã e passa o resto do dia no Facebook, no blog do Não Salvo, no Instagram… Ele é um Heavy User. O termo correto deveria ser “conhecimentos profissionais em mídias sociais”, pois meu primo sabe publicar um post no Facebook para uma lista específica de amigos, mas com certeza ele não está ciente de como se produz um dark post. Arrisco afirmar que o próprio mercado acomodou os mídias sociais a ficarem nos seus mundinhos com essa coisa de “Heavy User”.

2) Forçam intimidade com os blogueiros

A gente sabe que as redes sociais têm essa coisa de aproximar pessoas, o que facilita muito uma intimidade surgir sem entender ao certo como ela começou. Isso é fantástico! Mas a forçação de barra atrapalha se acontece algo do tipo com o mídia social e o blogueiro. Por isso é importante analisar os motivos que a tal intimidade fenomenal aconteceu e geralmente ela está ligada a dois fatores: dinheiro e influência (exatamente nessa ordem).

Blogueiro, se o mídia social chegar cheio de amor pra dar pode ter certeza que ele possui verba limitada e deseja te cobrir de simpatia para conseguir um excelente desconto. Mídia social, se o blogueiro te trata feito rei é porque além do seu dinheiro ele também quer a influência que consequentemente ganhará, caso o seu cliente seja muito importante. Há situações em que o próprio mídia social quer sugar a influência do blogueiro para se tornar uma ~webcelebridade~. Fora esses casos, um outro motivo pra tanto mela-mela atende pelo nome de pegação! Aí vocês que se entendam.

 3) São entusiastas… Até demais!

 É lindo ver um profissional entusiasmado com o que faz, mas repara que a galera de mídias sociais exagera na euforia. Faço essa crítica pra mim mesmo porque já me peguei mega feliz compartilhando pra deus e o mundo um novo app ou uma atualização interessante. O mídia social fica serelepe! Totalmente possuído pelo ritmo ragatanga! Mas, né? Cansa, gente! Até acredito que esse entusiasmo seja o combustível para a criatividade, porém a tamanha felicidade pode ser interpretada como infantil. Alguém viu algum programador felizão quando surgiu o lindo do html5? Pois é…

 4) Não admitem quando são os últimos a saber 

“Se eu sabia que uma fanpage pode comentar em outra página? Sim, sim, sim…”

 O orgulho de não admitir que não conhece algo diretamente ao seu trabalho é um pecado cometido por qualquer profissional. É chato confessar, eu sei, mas é uma atitude que demonstra maturidade e humildade.

Tem outra coisa também: o profissional de mídias sociais não é obrigado a saber como funciona todas as ferramentas. Assim como o mídia não é obrigado a decorar todos os valores de inserção em cada veículo. O primordial é entender o sentimento dos usuários, por isso há tantos cursos e workshops sobre antropologia do consumo e psicologia social. As mídias ficam obsoletas rapidamente (olha aí o Orkut se despedindo da gente), então não faz sentido sair feito louco pra saber como faz tal coisa na rede social x, y e z.

Lógico que conta muito ter um conhecimento avançado das mídias sociais usadas pelo público do seu cliente, mas isso não justifica ser o doutor sabedoria. É um desafio admitir que não sabe tudo, mas vai por mim! Se você falar que não conhece porém gostaria de saber, com certeza você será admirado pelos seus colegas de trabalho. 😀

5) Acham que tudo é zoeira

As mídias sociais são um campo fértil pra zoeria porque ela não tem fim. Será mesmo que não tem limites? É pensando assim que vire e mexe surgem posts sem noção como esse:

Está lá na página Analista de Mídias Sociais da Depressão

 Acredito na minha ingenuidade e afirmo que nem sempre o profissional pensa na zoeira pra fazer um post desse, mas o universo social media é um ambiente tão propício à informalidade que é muito fácil perder a dosagem da descontração. Exatamente por isso que vale consultar toda a equipe pra saber se o post passa no critério anti-zoeira, mas sem exagerar no politicamente correto né? Por favor! 😉

Tagged

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What's this?

You are currently reading 5 erros comuns cometidos por analistas de mídias sociais at Alberto Vargas.

meta